Profissionais

Clínicas

Academias

Farmácias

Óticas

Produtos e Equipamentos

Laboratórios
 

 

 

 

ARTIGO (Publicado em 0utubro 2001): Novos avanços em vacinas
 

 





Dr. Roberto Sant'Anna Sérgio

Pediatra

 

     Neste ano foram lançadas no mercado, duas novas vacinas. 

     Com menos efeitos colaterais e diminuição no número de injeções, vieram 
     contribuir em muito, com a prevenção de doenças graves em crianças.  

    
São elas:

     1-Vacina Hexavalente.

     2-Vacina contra Pneumococo.

     Até o final do ano, deverá ser comercializada, a vacina para meningococo tipo C, para crianças a partir de 2 meses.
     Para o próximo ano, provavelmente deverá ser lançada a vacina com Rotavírus e vírus respiratório sincicial.

1-Vacina Hexavalente. 

     Finalmente chegou ao Brasil, a esperada vacina que protege contra seis enfermidades. 
     Um dos produtos mais aguardados pelos que trabalham com imunização já está no mercado. 
     Há muitos anos os pesquisadores vêm procurando juntar os diversos antígenos indicados para a proteção do pequeno lactente, em um mesmo produto vacinal.
     Esta nova vacina, que atende os anseios da classe pediátrica, reduz de forma importante, o número de picadas necessárias para a imunização básica e reforço no lactente.
     Existe atualmente no mundo, uma grande exigência em relação à vacinas mais seguras, e isto quer dizer com menos efeitos colaterais, e  a vacina Hexavalente atende a todas estas exigências

 Doenças que são evitadas pela vacina Hexavalente

a) DIFTERIA (Vacina Acelular);

 b) COQUELUCHE – a vacina de células inteiras aplicadas nos postos de saúde, foi muito importante para a proteção das comunidades contra esta infecção, mas carrega algumas características que limitam muito seu valor, como: febre alta, crise convulsiva, edema localizado na maioria das crianças. Na Vacina Acelular (feita com pequenas partes da bactéria) estes efeitos colaterais raramente acontecem);

c) TÉTANO;

d) HEPATITE B;

e) HAEMOFILUS tipo B;

f)
POLIOMELITE – a vacina aplicada é por vírus mortos inativados. A vacina Sabin tradicional, embora seja feita de vírus vivos atenuada (enfraquecidos), pode tornar-se agressiva causando paralisia após vacinação. A ocorrência é de 1 caso para 5.000.000 de doses aplicadas. Este efeito adverso não ocorre com vacina inativada (Salk), cujo maior inconveniente, era o fato de ser injetável. 
Com o surgimento da vacina combinada, permitindo que sua administração fosse feita com outras vacinas, este inconveniente não mais existe.

O esquema de vacinação é feito no 2º, 4º e 6º mês e reforço com 1 ano e três meses.
Após 2 doses de vacina Salk (paralisia infantil), a criança poderá receber dose de reforço da vacina Sabin.
O volume aplicado é o mesmo das outras vacinas (0,5 ml.) e a vacina combinada tem a mesma eficácia dasvacinas aplicadas separadamente


 

2-Vacina contra Pneumococo.

    
Outro avanço em vacinação é a vacina contra Pneumococo, que pode ser aplicada após 2 meses de idade,prevenindo contra as doenças invasivas pelo Pneumococo (Streptococcus Pneumoniae), ou seja, meningite e bacteremia quando a bactéria invade o sangue sem agredir nenhum orgão, protegendo também contra otites, sinusites e pneumonias. 

     A cada ano ocorrem nos Estados Unidos, cerca de 1.400 casos de meningite em crianças com menos de 5 anos de idade, várias centenas     morrem e um número maior ficam com seqüelas como: convulsões, surdez e retardo mental.

     No Brasil, a mortalidade por meningite pelo Pneumococo é:

    - Crianças com 1 ano - 153/100.000 casos

    - Crianças com 5 ano - 42/100.000 casos

   - A incidência anual de meningite pneumocócica na cidade de São Paulo,  em crianças < 5 anos, foi estimada em 1,28 sobre 100.000 (1996);

     - Streptococcus Pneumoniae é responsável nos 25% das otites médias agudas entre bebês e crianças pequenas;

     - A doença pneumocócica ocorre principalmente em lugares fora de casa, onde a criança passa 4 horas ou mais durante a semana, como creches, que são locais ideais para transmissão do patôgeno

     - As crianças que freqüentam creches tem risco 36 vezes maior que aquelas que não frequentam ambientes com outras crianças.

 

ESQUEMA DE VACINAÇÃO
2º, 4º E 6º MÊS E REFORÇO COM A 1 ANO E 3 MESES
ESQUEMA RECOMENDADO
1 mês 2 meses 4 meses 6 meses 9 meses 1 ano 1 ano e 3 meses 1 ano e 
6 meses
2 anos 5 anos
BCG

Hexav./ Pneum.

Hexav./ Pneum. Hexav./ Pneum. Sarampo/
Febre
Amar.

Variola Zoster/ Hepatite A

Triplice Viral/
Hexav./ Pneum.

Hepatite A Mening. Triplice Acelular/ Sabim