Profissionais

Clínicas

Academias

Farmácias

Óticas

Produtos e Equipamentos

Laboratórios
 

 

 

 

 




Dra. Valéria Dória M. Costa

Ginecologia e Obstetrícia
Ultra-sonografia

 

   Na adolescência, vemos com freqüência na prática clínica a chamada Hemorragia Uterina Disfuncional, que é a perda excessiva de sangue, provinda da cavidade uterina, no decorrer ou fora da menstruação, sem causa orgânica e atribuída a distúrbios neuroendócrinos.

   Para a caracterização da Hemorragia Uterina Disfuncional em sua forma juvenil, é necessário que as perdas sanguíneas sejam de tal modo persistentes ou intensas a ponto de prejudicar o estado geral de saúde das pacientes.
   Nos primeiros meses que sucedem a 1ª menstruação, não raro os ciclos menstruais apresentam intervalos encurtados, com menos de 28 dias. A duração da perda sanguínea pode exceder 3-5 dias e a quantidade de sangue pode ser discretamente aumentada.
   Assim nas adolescentes, considera-se dentro dos limites normais, menstruações que duram até uma semana e ciclos que apresentam intervalos de 3 semanas.
   A causa é neuro-endócrina, por imaturidade do eixo hipotálamo- hipofisário, além de causas psicológicas próprias desta fase de transição. 
   Além disso, os ciclos são anovulatórios neste período, havendo predomínio do estrógeno sobre a progesterona.
   O diagnóstico é realizado por exame ginecológico sistematizado,história do desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários,etc.
   É importante a palpação do abdome para afastar a hipótese da existência de tumores abdominais.A vaginoscopia com espéculo de virgem complementa o exame.
   Além disso, deve-se realizar um hemograma e um coagulograma, pois certos distúrbios de coagulação podem levar á hemorragias.
Importante é sempre excluir causas anatômicas, como tumores uterinos, ovarianos, de vagina, etc.
   O tratamento depende do estado geral da paciente e da intensidade da hemorragia na ocasião do atendimento.Se a adolescente apresenta anemia acentuada e continua perdendo sangue em grande quantidade, impõe-se tratamento de urgência. 
   Quando a paciente se encontra em bom estado geral, deve ser instituído tratamento hormonal cíclico que será mantido por alguns meses com a finalidade de corrigir o distúrbio menstrual, garantindo ciclos menstruais regulares.
   Porém, na maioria dos casos, a conduta é expectante, sendo que a irregularidade desaparece com a maturidade do eixo hipotálamo- hipofisário, não havendo necessidade de tratamento específico.