Profissionais

Clínicas

Academias

Farmácias

Óticas

Produtos e Equipamentos

Laboratórios
 

 

 

 

 

 


Dra. Mariângela H. O. Castilho
 
Ginecologista

 

 

     Tranqüilidade e naturalidade é o que a mulher deve ter para um período onde tudo muda - as formas do corpo, as emoções, o humor, o ambiente em casa e até no trabalho.

    Logo nas primeiras semanas de gravidez , a mulher deve procurar o ginecologista para consulta de Pré-Natal, exames e orientações em geral. 

     Mas existem uns sintomas (mal-estares) que a grávida pode passar, onde os parentes e amigos e até o marido acham sem importância, ou até que ela está inventando. 

  Veja o que fazer para diminuir estes mal-estares comuns na gravidez:

Enjôos: podem aparecer nos primeiros 3 meses de gravidez e melhorar ou até o final. É causado pela mudança do ritmo intestinal e do estômago, pelo hormônio da gravidez. Deve-se comer mais vezes por dia, em pequenas quantidades.
Vontade de fazer "xixi" com freqüência: aparece mais no segundo e terceiro mês de gravidez e nos últimos meses, sendo o aumento do útero no primeiro caso, e a cabeça do bebê vai encaixando na bacia, o que comprime a bexiga nos últimos meses.
Inchaço: a partir do quarto mês, no rosto, nas mãos e tornozelos e pés, pelo aumento de líquido circulante no corpo (líquido da bolsa, do cordão umbilical do bebê, circulação da placenta) e também pela eliminação mais lenta pelos rins. Deve-se diminuir o sal, tomar mais líquidos e comer alimentos ricos em fibras.
Postura incorreta: quando a barriga fica maior e mais pesada (falam que a mulher anda como uma pata). Recomenda-se exercícios leves para habituar o corpo ao ganho de peso na barriga.
Azia e má-digestão: queimação no estômago que pode seguir até "a boca" e digestão lenta dos alimentos, que ocorre não pelo fato do bebê ter muito cabelo e a gestante senti-lo próximo ao estômago.
Vontade de comer alimentos azedos, picantes ou "exóticos", tudo pela mudança hormonal da gravidez, não sendo regra em todas as gestantes.

     Assim sendo, tudo o que a gestante sente deve ser valorizado e orientado adequadamente, 
para ela seguir rumo a um parto sereno e tranqüilo.