Profissionais

Clínicas

Academias

Farmácias

Óticas

Produtos e Equipamentos

Laboratórios
 

 

 

 

 



Dra. Maria de Paula R. Serrano Nunes
Ginecologista

 

   Com a chegada dos dias de calor, a mulher apresenta uma sensibilidade maior para o desenvolvimento e, conseqüentemente, o aparecimento de corrimentos vaginais, sendo o mais comum deles a candidíase ou monilíase.

   O que é candidíase vaginal?

   É uma infecção causada pelo fungo CANDIDA ALBICANS. Esse fungo geralmente vive nos órgãos genitais femininos e nos intestinos, sem contudo provocar nenhum transtorno. Porém, em certas ocasiões, começam a se proliferar e provocam o aparecimento do corrimento.

   Quais as situações que podem provocar a infecção?

   

o mau hábito de higiene pode provocar a disseminação dos microorganismos na vagina.
   
  facilita o desenvolvimento do fungo, por deixar o meio vaginal com uma alta concentração de açúcar.
   
o aparecimento é facilitado devido ao aumento dos níveis do hormônio estrogênio.
   
o estrogênio fica abundante no meio vaginal.
   
provocam um desequilíbrio na flora vaginal, porque diminuem as defesas naturais do corpo.
   
pela diminuição na produção de hormônios, há uma diminuição na resistência da mucosa vaginal.
   
pacientes com deficiência nesse sistema são bastante sensíveis à infecção porque não conseguem combater o fungo naturalmente. São os casos de Aids e uso de corticóides.
   
o uso de roupas sintéticas como nylon, lycra, maiôs, meias-calça, calças apertadas produzem um aumento na umidade da vagina, propiciando o crescimento da cândida.
   
a mulher pode desenvolver a candidíase vaginal e contaminar o seu parceiro sexual.
   
pela ação de sabonetes, desodorantes íntimos e neutralizadores vaginais, a pele pode sofrer lesões ou inflamações.
   

   Diagnóstico 

   o material do corrimento é colhido, colocado numa solução salina e analisado ao microscópio, onde poderão ser observados os fungos. Se necessário, faz-se a cultura do material.
   

   Tratamento 

   o tratamento consiste na aplicação de cremes ou óvulos vaginais à base de antifúngicos, em média de três a sete dias. O tratamento deve ser completado pelo uso de antifúngicos via oral, e extensivo ao companheiro sexual se for o caso.