Profissionais

Clínicas

Academias

Farmácias

Óticas

Produtos e Equipamentos

Laboratórios
 

 

 

 

Lúpus Eritematoso Sistêmico



Dra. Vincenzina Santangelo

Reumatologista

  
   Níveis descrentes de estrogênio levam a mudanças nos tecidos da vagina e da uretra. Assim que começa a menopausa, o revestimento da vagina e da uretra torna-se mais seco, mais fino e menos flexível.

   O suprimento de sangue para essas áreas diminui. Para algumas mulheres, essas mudanças podem levar a infecções vaginais e enurese mais freqüentes.

   Algumas mulheres passam por problemas urinários devido à fraqueza da pélvis que tem tendência a sofrer um prolapso durante a menopausa.

  
   Dentre os tipos mais freqüentes de incontinência temos incontinência urinaria por esforço, que se caracteriza pela liberação não intencional da urina durante as atividades normais da vida diária.

   A pessoa que tem este tipo de incontinência pode urinar quando ri, respira, tosse, caminha, faz exercícios, levanta peso, levanta-se da cadeira, etc.

   A causa mais comum da Incontinência Urinária é o enfraquecimento do assoalho pélvico. O músculo deste assoalho pélvico suporta os órgãos do trato urinário inferior, incluindo a uretra.

   Se o assoalho pélvico é forte, ele mantém a uretra bem fechada até a hora de urinar, porém um assoalho pélvico enfraquecido não consegue segurar a uretra na posição correta, então qualquer movimento do diafragma que faça pressão sobre a bexiga  (como a tosse, por exemplo), pode fazer com que a uretra afrouxe a vedação e permita a saída da urina.

  
   A Incontinência Urinária por estresse não faz parte necessariamente do processo de envelhecimento. Ela pode afetar mulheres de todas as idades e suas principais causas são: parto, cirurgia pélvica, menopausa ou deficiência de estrogênio, estados neurológicos, tais como defeitos na medula espinhal.

   Para as mulheres com Incontinência Urinária por esforço, a primeira linha de terapia normalmente são os exercícios usados para fortalecer os músculos do assoalho pélvico. Muitas mulheres já se beneficiaram deste conhecimento, melhoramento apenas com os exercícios.

   Para os exercícios, você vai aprender a conhecer o seu músculo pubococcígeo que é uma trança muscular que sustenta e apóia os órgãos internos da bacia. Se não estiver forte o órgão podem começar a ceder, causando distúrbios como a incontinência urinaria.


   Depois de identificado o músculo, passamos ao treinamento, feito por contrações e relaxamento, que podem ser feitos a qualquer hora e em qualquer lugar. Você pode praticar enquanto dirige, assiste televisão, conversando.

   Muitas mulheres que tiveram partos normais e principalmente aquelas que tiveram filhos com peso fetal elevado reclamam que a vagina fica mais frouxa, e elas ficam também mais propensas á incontinência urinaria, queda da bexiga e prolapso do útero.

   Os exercícios ajudam para que a vagina volte a ficar forte e apertada mais tarde na vida, como queda da bexiga, uretra e prolapso do útero.

   Uma pesquisa feita com as pacientes sobre o tratamento e seus resultados ainda confirmou que as que tinham uma vida sexual ativa se beneficiavam muito, relatando melhora na performance sexual e no prazer.