Profissionais

Clínicas

Academias

Farmácias

Óticas

Produtos e Equipamentos

Laboratórios

Serviços Complementares
 

 

 

 

A importancia do planejamento da gravidez para a formação do tubo neural da criança

 



Dra. Pryscilla Mychelle S. Paula

Terapeuta Ocupacional
Especialista em Neuro-ortopedia e Geriatria 

 

   O tubo neural é composto pelo cérebro e pela coluna vertebral. Este conjunto está completamente formado de 25 a 29 dias de vida do feto (normalmente, neste período a mulher ainda nem sabe que está grávida). Porém, podem ocorrer defeitos no fechamento do tubo neural, podendo ocasionar a anencefalia (ausência do cérebro); mielomeningocele; espinha bífida; encefalocele; fenda lábio-palatina; mal-formações cardíacas e renais.


  
O ácido fólico é uma vitamina do complexo B, também denominada de folacina ou folato. O organismo não consegue armazená-la por muito tempo, e por isso, é preciso repô-la diariamente. 

   O folato é utilizado milhares de vezes ao dia para "fabricar" células sanguíneas, curar ferimentos, "produzir" músculos, sendo necessário para todas as funções que exijam divisão celular. É fundamental para a formação do DNA e RNA. 

   Garante que as células se dupliquem normalmente, por isso sua importância no desenvolvimento fetal. Ajuda também a produzir substâncias químicas essenciais para o cérebro e sistema nervoso.


  O ácido fólico é indispensável durante o planejamento da gravidez, podendo evitar o risco de mal-formações do tubo neural. É necessária uma consulta ao médico para este planejamento e assim, haver a ingestão da vitamina antes de ocorrer a gravidez.

   No Brasil, uma em cada 800 crianças nasce com defeitos no tubo neural. Já no Canadá, entre 2 a 4 bebês de cada 1.000, nascem com este problema.

   As fontes naturais do ácido fólico são: vegetais de folhas verdes escuras como espinafre e brócolis; fígado; gema de ovo; suco de frutas cítricas como laranja e limão; grãos como feijão e lentilha; carne; levedo de cerveja; peixe; cenoura.


   Foi realizado uma avaliação com 24 mães de crianças deficientes de 0 a 5 anos em uma instituição de São José do Rio Preto, para calcular as gestações que aconteceram sem planejamento, as gestações planejadas e a partir de que mês as mesmas procuraram o médico para o pré-natal.

   Os resultados obtidos foram que 12 mulheres não planejaram a gravidez e procuraram o médico somente depois de um mês e meio para o pré-natal, em média. 

   Outras 11 planejaram apenas com os maridos, ficando grávidas e procurando o médico também em média depois de um mês e meio, quando descobriram a gravidez, para o início de ingestão de complexo vitamínico. 

   E apenas uma mãe procurou orientações médicas antes da gestação, tendo o uso de ácido fólico para a prevenção de defeitos do tubo neural. 

   Porém, nenhuma das 24 mães tiveram seus filhos com defeitos no tubo neural. São crianças com Síndrome de Down, Paralisia Cerebral, Distrofia Muscular, Síndrome de West, Fibroplasia do Ventrículo Esquerdo, etc. Estes casos não têm relação com a ausência de ingestão de ácido fólico.
 

  Portanto, conclui-se que há falta de informação quanto ao planejamento da gravidez, pois PLANEJAR significa consultar-se com o médico para orientações e ingestão de vitaminas, podendo assim prevenir mal-formações do tubo neural na criança. 

   E na visão das pessoas pesquisadas, verifica-se que planejar é apenas combinar com o marido sobre uma possível gravidez, sem a consciência de riscos para o bebê.

 Quem é o Terapeuta Ocupacional?

   O Terapeuta Ocupacional é um profissional da saúde que envolve o paciente em atividades destinadas a promover o restabelecimento e o máximo uso de suas funções, com o propósito de ajudá-los a fazer frente às demandas de seu ambiente de trabalho, social, pessoal e doméstico e a participar da vida em seu mais pleno sentido. Terapia Ocupacional é uma disciplina que diz respeito a pessoas com deficiência, déficit ou incapacidade física ou mental, temporária ou permanente.

   O Terapeuta Ocupacional promove o desempenho funcional do paciente através de avaliação, prescrição e aplicação de atividades terapêuticas selecionadas de acordo com as dificuldades, necessidades e projetos futuros. Determina quando necessário a adaptação ambiental, prescreve e confecciona órteses para potencializar as funções. 

   Os programas de Terapia Ocupacional são parte de serviços de saúde em hospitais (tratando desordens físicas e/ou mentais), hospitais-dia, centros de reabilitação, instituições geriátricas, programas de atenção domiciliar, escolas e clínicas especiais, reformatórios, programas nas comunidades e em outras organizações que provêem reabilitação e/ou serviços de prevenção, ambos dentro e fora do modelo médico. 

   O Terapeuta Ocupacional contribui para a reabilitação total do paciente em conjunto com outros membros da equipe de tratamento.