Profissionais

Clínicas

Academias

Farmácias

Óticas

Produtos e Equipamentos

Laboratórios
 

 

 

 

Fisioterapia nas Lesões Nervosas Periféricas

 


Dra. Clarissa Ramirez Tognola
Fisioterapeuta

 

   A Fisioterapia neurológica pode auxiliar na reabilitação dos músculos e/ou nervos acometidos por diversas patologias. Dentre elas, as provenientes de lesões nervosas periféricas. Seguem esclarecimentos quanto à reabilitação.

O que é Fisioterapia?
Fisioterapia é um dos ramos da saúde responsável pela reabilitação de pacientes com doenças que levam à imobilização de alguma parte do corpo, à falta de movimento em algum membro (braço, perna, etc.), à impossibilidade de realizar uma atividade de vida diária, a dores musculares, a complicações respiratórias ou a qualquer problema de incapacidade funcional.

Qual o profissional que pode realizar Fisioterapia?
O Fisioterapeuta é o único profissional que pode realizar Fisioterapia. Geralmente, os Fisioterapeutas são especializados em algumas áreas da medicina: existe Fisioterapeuta especializado em Neurologia, em Ortopedia, em Reumatologia, em Cardiologia, etc.

Qual Fisioterapeuta pode reabilitar um paciente com Lesão Nervosa Periférica?
Qualquer Fisioterapeuta está apto a reabilitar pacientes com diferentes tipos de doenças, mas o Fisioterapeuta especializado em Neurologia, está um pouco mais capacitado para atender pacientes com seqüela de Lesão Nervosa Periférica.

Qual a importância da Fisioterapia nas Lesões Nervosas Periféricas?
Há alguns objetivos na reabilitação de Lesões Nervosas Periféricas que devem ser traçados através de uma avaliação individualizada:
- restaurar a capacidade funcional do paciente;
- auxiliar e promover o retorno do paciente as suas funções cotidianas normais;
-  ensinar o paciente a ser o mais independente possível, mesmo com suas alterações funcionais;
-  relembrar como realizar os movimentos perdidos com a lesão;
-  orientar maneiras de os familiares ajudarem o paciente;
-  ensinar exercícios para os familiares realizarem com o paciente em casa;
-  prevenir deformidades decorrentes do mau uso do membro afetado;
-  reduzir aderências da pele provenientes de cicatrizes;
-  melhorar a circulação local e global;
-  prevenir atrofia, ou seja, perda da massa muscular (parece que faz um buraco profundo na pele);
-  estimular a movimentação ativa global;
-  estimular os músculos paralisados;
-  evocar o retorno da sensibilidade;
-  fortalecer os músculos, evitando fraqueza muscular;
-  alongar os músculos pouco usados e os paralisados;
-  aliviar a dor;
-  melhorar a postura;
-  orientar órteses;
-  manter ou melhorar a função dos músculos respiratórios;
-  melhorar a coordenação motora;
-  promover a estabilidade das articulações ("juntas");
-  e, finalmente, trazer maior satisfação ao paciente.

Do que depende a Reabilitação?
Depende de alguns fatores: da lesão (tipo, local e extensão da lesão); do paciente (idade, profissão, colaboração e empenho do paciente na terapia); das terapias (número de terapias por semana); do terapeuta (especializado ou não em Neurologia) e se há ou não indicação cirúrgica.

Quando se deve iniciar a Reabilitação?
Quanto mais cedo melhor! Algumas fases dependem muito da Fisioterapia:
a) Fase Pré Cirúrgica (antes da cirurgia): com os objetivos de manter as articulações em mobilização; promover boas condições para a pele; estimular a circulação global; reduzir aderências; preparar os músculos respiratórios, caso o paciente necessite ser entubado na cirurgia.
b) Fase Pós Cirúrgica (após a cirurgia): com os objetivos de orientar órteses, reduzir o edema, tentar recuperar as funções motoras e sensitivas; bem como, a estimulação da circulação e dos mecanismos de reparação do tecido cicatrizado. 
c) Fases Inicial e Tardia do acometimento: com o objetivo de evitar ou atrasar uma possível cirurgia. 

A Fisioterapia pode evitar a cirurgia?
SIM, muitas vezes a indicação da Fisioterapia pelo seu médico, é para evitar ou retardar a cirurgia.

E se eu não fizer Fisioterapia?
Você provavelmente vai usar mais o outro membro (aquele que está bom e sadio), vai tentar compensar a falta do movimento no local da lesão com músculos que não realizam a função correta deles, podendo até acelerar a atrofia (perda da massa muscular), piorar a fraqueza muscular, continuar com edema, dor, déficit de sensibilidade e outras alterações pouco agradáveis.

   É importante lembrar que fisioterapia deve ser feita por um profissional formado em fisioterapia, e os pacientes devem solicitar exercícios domiciliares para serem feitos em casa como um complemento do trabalho do profissional no consultório, acelerando assim, a reabilitação!
   Material escrito e montado pela fisioterapeuta Dra. Clarissa Ramirez Tognola para os alunos da graduação do curso de Fisioterapia da USP (disciplina de Fisioterapia em Neurologia) e para o site do Dr. Mario Siqueira (neurocirurgião do Hospital das Clínicas - SP).